Prática – uma das bases da oratória

oratoria23232Não é possível afirmar com precisão quando surgiu a oratória. Mas pode-se afirmar que Atenas (436 a 338 a.C) foi onde a oratória ganhou destaque e recebeu importantes avanços, sendo incluída inclusive  no currículo escolar.

Sabe-se também que um dos maiores oradores da antiguidade foi Demóstenes. Mas o caminho para ele não foi fácil. Problemas respiratórios, de articulação e posturais, pois quando falava elevava os ombros e por isso era motivo de chacotas,mas nem isso o impediu. Isolado iniciou sua preparação, aperfeiçoando a respiração através de corridas. Corrigiu sua dicção com seixos na boca, com os quais procurava pronunciar corretamente as palavras.

Para melhorar a postura iniciou o tratamento falando em frente ao espelho e para evitar o hábito de elevar os ombros adicionou um espada, que com sua ponta limitava o movimento dos ombros. Ficou com ferimentos horríveis. Com toda esta dedicação e que durou atuns anos, Demóstenes transformou o soeu sonho em realidade sendo lembrado até hoje como o maior orador que a Grécia pôde conhecer.

A influência grega atingiu em cheio a Roma do século II a.C.  Os romanos na tentativa de conter a influência cultural grega, inclusive na arte da eloqüência iniciaram o processo de fechamento estabelecimentos que ensinavam a falar. Mas a arte de falar bem ganhou novo fôlego quando o o Imperador Crasso permitiu a reabertura das escolas.

Então é importante salientar que a prática é que leva ao bom exercício da oratória. Praticar tendo a base técnica é fundamental para  melhorar a  arte de bem falar.

You may also like...

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *